Metas pra 2018?

Se você, assim como eu, faz uma lista de metas pra alcançar no próximo ano, e depois fica meio frustrado porque metade dela não rolou, calma!! TÁ TUDO BEM :D

Esse vídeo não é pra te convencer a não fazer mais metas para o novo ano, nem te fazer pensar que nada vai dar certo. É só pra te lembrar que faz bem tirar um pouquinho do peso do mundo das suas costas. Que tudo bem os planos não darem certo. Que às vezes, por mais que você se esforce, as coisas não vão sair como você queria, simplesmente porque você não tem o controle de tudo. Esse vídeo é pra te lembrar das coisas incríveis que aconteceram ao longo do ano, que você nem tinha colocado como meta, como objetivo ou mesmo como desejo. Você certamente conheceu pessoas incríveis, mudou seu ponto de vista sobre muitas coisas, se re-descobriu, teve momentos surpreendentes e também aqueles cheios de tranquilidade. Com certeza fracassou em muitos deles, ficou triste, chorou. E tudo bem! Tá aí um ano novinho, pra gente errar tudo de novo, chorar mais um tanto, e sair dele ainda mais forte pra tentar tudo de novo. Porque mesmo não tendo o controle de tudo, e não acreditando em meritocracia, eu ainda acredito que o caminho é sempre mais importante que a chegada, e por ele, que ainda tento, tento e vou continuar tentando.

 

Festinhas de fim de ano!

Essa semana teve mais um vídeo novo no meu canal! E quero compartilhar com vocês essa reflexão bem coerente sobre essa época do ano :P

Vamos falar sobre festinhas da firma, e sobre não tê-las quando você não tem firma. Essa é uma das coisinhas que sinto falta da vida CLT, mas, como vocês já devem ter lido em algum lugar, nenhum CNPJ vale um AVC, não é mesmo? Sigamos, com nossas próprias festinhas e nossa consciência limpa, e livre!

 

Não deixe de se inscrever no canal, e deixar sua opinião, tá bem?! =)

Beijos, beijos!

 

Vamo parar com a auto-sabotagem?

Olá queridxs!

Você já quis muito tentar algo, teve a possibilidade, e não tentou porque ficou com medo?!

Você já se sentiu meio idiota só por pensar em prestar uma prova, um teste, só porque estariam outras pessoas que você julga serem super mais inteligentes e incríveis do que você?

A minha resposta é sim, com certeza, sempre! E é disso que tô falando no vídeo dessa semana! Vem ver?!

Deixa nos comentários se você também se sente assim, e quais são suas táticas pra dizer um “hey, perai” e seguir tentando, mesmo que com medo, porque afinal, lidar com os não’s da vida é tão importante quanto conquistar o sim!

 

Se você gostou do vídeo, não deixa de dar seu like, compartilhar com os amigos, e claro, não esquece de se inscrever no canal <3

Beijos beijos!

Redes sociais: ódio e amor juntinhos

Acabamos de postar esse vídeo, novinho em folha no canal E Agora, Thalita?

Vamos bater um papinho sobre redes sociais? Assistam, curtam, mostrem aos migxs, se inscrevam no canal, e não deixem de compartilhar sua opinião também! Vamos dividir nossos olhares e desabafar um pouquinho?

Espero vocês lá! Beijos!

 

E agora, Thalita?

É com o coração quentinho que quero indicar meu canal no Youtube, feito com muito carinho e um punhado de dedicação,  juntinho com Glauber Brasil (meu editor/produtor/diretor preferido).

Nos vídeos, vou contar um pouquinho da minha experiência pós pedido de demissão, os medos, as conquistas, tropeços e todas as dúvidas que aparecem, todos os dias!

Assistam, se inscrevam no canal, opinem! Vamos compartilhar experiências e um punhado de amor <3

Canal E Agora, Thalita?

Não pensar também é maravilhoso

Fonte: Pinterest

Há algumas semanas, estou dando aula de teatro para jovens e crianças, na Associação Nossa Turma. É claro que em tão pouco tempo, já tenho aprendido um tanto sobre mim mesma e sobre tantas outras coisas com aqueles meninos e meninas.

Na última segunda-feira, depois de um exercício que eu considerava um desafio (ao menos pra mim, enquanto atriz), ao questioná-los sobre a dificuldade de fazê-lo, uma aluna, de maneira muito espontânea e natural, me disse: “não é difícil não professora, é só não pensar”. Sim, eu fiquei pensando muito sobre essa simples frase haha Sim, eu penso demais. Todo o tempo, e milhares de coisas ao mesmo tempo. E como o “pensar”, é capaz de nos travar. É claro que não dá pra sair enlouquecidamente fazendo tudo o que vem na cabeça, sem pensar em consequências, mas por diversas vezes, o “não pensar”, significa também respirar fundo e aceitar a situação, não como forma de comodismo, mas como forma de se permitir sentir prazer naquele momento.

Continue lendo “Não pensar também é maravilhoso”

5 Itens que não podem faltar na sua mala de viagem

Ou podem. Porque afinal, a mala é sua e você não é obrigada a nada :D Mas são alguns itens que me ajudaram um tanto bem razoável na minha recente trip, na Ásia, e quem sabe, podem ajudar você também =)

         Fonte: Futilish

1)Urinol: O nome é engraçado. A utilização é meio bizarra. Mas é sério: esse pequeno (e barato) objeto me salvou de muitos banheiros absurdamente não higiênicos. Talvez você demore um pouco mais no banheiro (já que o processo todo de utilizá-lo, ao menos pra mim, não foi tão prático e rápido como parece), mas se você é mulher, e assim como eu, tem uma “leve” dificuldade em fazer seu xixi em banheiros sujos, você vai agradecer ao universo por ter o urinol na sua bolsa :P

Continue lendo “5 Itens que não podem faltar na sua mala de viagem”

O que levei de Luang Prabang

 

Foto: Glauber Brasil

Meus primeiros minutos no Laos foram, com certeza, cheios daquela sensação de “o que eu tô fazendo aqui?”. Descemos em um aeroporto pequenino, demorado, com um visto bem carinho, por sinal. Saímos do aeroporto com um sol nada amigável. Pegamos uma van até nosso hotel. O que não levou muito tempo, visto que a cidade é bem pequena. Só pra ter uma ideia, a população é de aproximadamente 22.000 habitantes. No caminho para o hotel, a primeira imagem que me lembro é de uma casa bem simples, mas com um quintal enorme. E nesse quintal, uma criança com…chuto uns 2 anos de idade, e na sua frente um adulto fazendo dancinhas que a faziam rir e dançar junto. Essa cena me fez dar um pequeno sorriso, mas ainda não tinha me convencido, ou mudado meu pensamento, que não estava muito feliz, confesso. O que via, além da criança brincando e dançando, era uma cidade sem muita estrutura, muitos terrenos sem casa, muitas casas com quintais grandes e cheias de plantações. E eu me perguntando o quê de tão incrível tinha nesse lugar para ser tão comentado nos blogs de viagens.

Continue lendo “O que levei de Luang Prabang”

A expectativa nossa de cada dia

Fonte: Touts

Sou daquelas que acredita que grande parte das nossas dificuldades diárias de lidar com a vida, existem graças àqueles traumas de infância que nossas mães e pais deixaram como um brinde querido à nossa vida adulta.

Aquela dificuldade em socializar, em acreditar em si mesma, em acreditar que você é sim capaz de fazer algo, mesmo que seja algo bobo, como lavar sua própria roupa (e deixá-la incrivelmente limpa e cheirosa), como fazer seu próprio almoço ou conseguir pagar todas as suas contas no final do mês, e ainda se dar ao “luxo” de comprar uma bolsa nova.

Aquela vontade insistente de cuidar (e controlar) a vida do outro. Como se isso fosse possível e saudável. Aqueles “toc’s” clássicos de nunca deixar louça na pia, ou de sempre arrumar sua cama pela manhã.

Demora um tempo (um longo tempo. Talvez uma vida inteira) pra perceber o que de fato cabe hoje na nossa vida, e o que não nos pertence.

Continue lendo “A expectativa nossa de cada dia”

Meu cabelo não é liso

Fonte: boredart.com

Sempre tive uma dificuldade imensa de aceitar o meu cabelo como ele veio ao mundo. Na adolescência, ele estava sempre preso, o mais escondido possível. Eu olhava aquelas meninas da escola com seus cabelos tão lisos, que quando o vento soprava, ele continuava intacto, brilhando. Eu achava que meu cabelo era completamente indefinido e isso me incomodava demais. Nem cacheado, nem liso, ali, bem em cima do muro. Odiar o meu cabelo (sim, era ódio mesmo) não ajudava em nada a auto estima de uma adolescente, que nessa fase da vida, já é um pouco complexa.

Aos 16 anos, comecei a fazer teatro ( <3 ), e dentre tantas coisas que aprendi, vivenciei, senti, comecei a experimentar o cabelo solto. Assim, meio tímida, com medo de tantos julgamentos por aí. Mesmo assim, não posso dizer que cheguei a gostar do meu cabelo ou que fazia selfies pra postar no Orkut (saudades Orkut). Foi quando eu conheci a chapinha, e logo depois, a progressiva! Não há nada de errado em alisar o seu cabelo, ok? Só acho que isso tem que ser uma escolha sua, e não mais uma pressão da sociedade para nos colocar dentro daqueles padrões “maravilhosos” e inalcançáveis.

Continue lendo “Meu cabelo não é liso”