Você é indiscreto?

O mundo está indiscreto! Credo, quanta gente que não sabe guardar a própria opinião para si ou que não tem aquele filtro básico entre o que o cérebro produz e o que a boca fala!

Do jeito que pensa, fala… Fonte: Google

E tenho ouvido e prestado atenção nas pessoas. Aliás, prestar atenção nas pessoas é um hábito que criei há muito tempo nas rodoviárias que frequentei. Por passar muita gente, lá se tornou um local ótimo para observar as pessoas, suas reações, seus hábitos, a forma de se relacionar com os estranhos, enfim, foi quase um estudo sociológico!

Nessas observações percebi que as vezes as pessoas emitem suas opiniões sem serem perguntadas. Se isso é ruim com desconhecido, imagina com aquela pessoa conhecida, sua amiga, familiar? Triplica a chatice dos comentários indesejados. E isso tem acontecido demais comigo!

Já tem quase um ano que estou passando por um desajuste hormonal, o que me causou muitas espinhas, principalmente nas costas e rosto. Eu conheço a razão delas estarem lá, me incomodam bastante, estão avermelhadas, algumas ficam grandes… Eu sei que elas existem! Mas ultimamente 10 entre 10 pessoas que me conhecem há bastante tempo (eu não tinha espinhas nem quando adolescente) me perguntam: “e essas espinhas aí?”. Como se fosse algo legal, do tipo: “e esse corte novo de cabelo aí?”.

Acho tão desnecessário esse tipo de pergunta! Além de desnecessário, é indiscreto. É a mesma coisa que perguntar “e esse peso novo que você adquiriu?”, alguns chegam ao cúmulo de “nossa, engordou hein? Tem que se cuidar!”, como se o dono do corpo já não soubesse que isso aconteceu! É quase engraçado (se não fosse chato mesmo) as pessoas fazerem certas observações a respeito do nosso corpo, pele, cabelo. É como se a gente não tivesse consciência do próprio corpo!

As pessoas são estranhas! Pior de tudo é quando, acompanhada da perguntinha indiscreta, vem a “receita milagrosa da minha vó de 100 anos pra resolver esse seu problema”! Por acaso você perguntou para a pessoa se ela quer resolver a situação que você está observando? Se certificou de que esse “problema” é realmente um problema pra pessoa? Aliás, você perguntou se ela já não está resolvendo essa situação com uma “solução milagrosa da indústria farmacêutica”? Ainda mais, você perguntou se ela QUER a sua opinião?

Se o que for falar não acrescenta, faça como a Mafalda! Fonte: Google

E se por acaso você não se incomoda com pessoas indiscretas ou com perguntas sem noção, talvez seja você a pessoa sem noção que faz perguntas indiscretas! #FicaDica  ;)

Pra encerrar esse meu momento “Lula Molusco”, fique com essa imagem que vi no instagram de uma amiga. Quem sabe compartilhando esse texto, com essa imagem, as pessoas indiscretas ao seu redor se toquem e comecem a melhorar. Ou então, você mesmo perceba que é assim e busque melhorar! Vai por mim, as pessoas vão gostar mais de ter você por perto!

Um grande e discreto abraço e até a próxima!

Ah o mar.

 

Muitas vezes caminho pela praia, ouço o barulho do mar e fico observando a grandeza dele. Hoje resolvi sentar de frente para essa imensidão, fiquei observando por horas, sentindo aquele vento leve e salgado batendo no meu rosto. O mar para mim é algo grandioso, que preciso estar constantemente em contato com ele. A água batendo na costeira, as ondas cantando de uma forma forte e veloz. Ali fiquei refletindo sobre minha vida, meu destino, meus projetos e nas pessoas que já partiram desse mundo.

O mar me traz boas lembranças, aquela de infância, lembra minha mãe, meus amigos do bairro, lembra as dificuldades passadas, porém superadas. Coisas antigas…

O mar, para mim tem seus encantos, minhas lendas, minhas crenças, meu modo de pensar. Estar em Ubatuba (minha terra), é como se tivesse tomado um banho de sal grosso para se limpar e depois voltar renovada para minha cidade atual.

Esquecer de onde vim e de minhas origens? Jamais.. Sou o que sou graças a minha criação e a minha família e claro que ao meu grandioso mar. Sou caiçara e com muito orgulho, afinal Ubatuba é minha primeira casa. Rezo sempre em frente ao mar, ele me acalma, me dá uma direção. O mar foi feito para refletir e pensar, olhar de frente, ouvir o bater das ondas, o mar foi feito para sonhar, enxergar a grandeza de Deus e somente agradecer.

Precisa de muito para ser feliz? Sempre me faço essa pergunta?

E hoje refleti muito sobre isso… acredito que não! Você precisa só de um pouco de paz e de praia, o resto a gente corre atrás!

Você está curtindo a vida ou só curtindo a vida?

Pra ouvir enquanto lê:

Não, eu não errei o título! Pensa comigo: você aproveita a sua vida, sai com seus amigos, aproveita os momentos de ócio necessários ou só curte a vida que passa pela timeline do facebook/instagram?

Eu tenho observado as minhas atitudes frente ao smartphone e vou apontar o dedo pra mim e, se a carapuça te servir, vista-a e vamos ser felizes juntos! Estou observando pouco – a natureza, as pessoas, minha família, a mim mesma -, estou dando mais likes na vida do que curtindo a vida. Nesse último fim de semana eu tive a oportunidade de curtir a vida. Saí com meus amigos, dei risada, ouvi música boa, comi e bebi coisas deliciosas, aproveitei cada momento com aquelas pessoas que estavam comigo (e que eu estava com MUITA saudade! </3). Depois, comecei a pensar em como a gente foca nosso olhar numa telinha tão pequenininha quando temos uma vida enoooooooorme passando bem na frente da nossa cara.

Continue lendo “Você está curtindo a vida ou só curtindo a vida?”

O que nós mulheres estamos fazendo aos nossos homens?

Esse vídeo me perturbou semana passada. O conteúdo dele é algo no qual eu tenho pensado com frequência e isso tem me incomodado cada vez mais e ainda bem que tenho agora esse espaço, para que, expondo meus pensamentos, alguém pode dizer se sente o mesmo. Nós, mulheres, temos cada dia mais conquistado nosso espaço de respeito dentro da sociedade; o feminismo tem nos empoderado, nos fazendo conhecer nossos direitos e nos dando voz mais forte.

Muitas pessoas que convivem comigo e sabem que sou cristã católica, praticante da minha fé estranham o fato de eu levantar a bandeira do feminismo tão alto e tão forte – dizem ser incoerente. Devo dizer aqui:  não concordo com parte das discussões levantadas, mas sou total apoiadora de que todas as mulheres do mundo tenham, pelo menos, direito de andar na rua sem sentir medo. Comecei esse texto com esse assunto para contextualizar o que vou dizer a seguir.

Continue lendo “O que nós mulheres estamos fazendo aos nossos homens?”

Sobre coragem!

Pra ouvir enquanto lê: Coragem – Biquini Cavadão

Levei um tempo para criá-la. Ela, a coragem, não é algo que se cria da noite para o dia. Deveria, mas não é! Pela primeira vez escrevo para muitas pessoas lerem e isso dá um certo medo… Sou a Fernanda, tenho 25 anos (quase 26!) e a partir de agora escrevo para o Conteúdo!

E escolhi escrever sobre a coragem porque tenho vivido situações que me jogam de cara para ela. A vida é exigente e não facilita para quem não tem coragem, para quem é mole e desiste fácil das coisas. Sempre fui uma pessoa muito tranquila, até meio enrolada para me resolver. Um dia, no início da faculdade, meu cunhado me falou: “você fica levando sua vida na flauta, daqui a pouco a vida vai te obrigar a tocar uma tuba e você não vai dar conta!” Na hora aquilo me atingiu como uma flecha, um murro na cara; fiquei morrendo de raiva. Uns anos depois, entendi o que ele queria dizer: eu precisava ser mais forte, criar uma casca mais grossa pra resistir às pancadas que a vida dá. E olha, ela luta MMA, jiu-jitsu, capoeira, boxe! Dá cada soco na cara, cara golpe duro que só com uma casca digna de Tartaruga Ninja a gente aguenta!

E é aí que a coragem entra! A gente precisa dar a cara a tapa, dar o rosto pra vida bater, senão a gente fica parado no mesmo lugar, vivendo a mesma vida, vivendo uma vidinha medíocre! E a gente não nasceu pra ser medíocre. Segundo o dicionário, medíocre quer dizer mediano. Digo mais, digo que quer dizer medido. A gente fica medindo a vida: “até aqui eu posso ir; até aqui eu quero ir; depois disso eu não tenho capacidade”. E isso é uma maldade com a gente mesmo! A gente nunca descobre do que é capaz, nunca sai do lugar e eu não sei você, mas eu fico desesperada com a falta de mudança na minha vida!

Sou formada em relações públicas e exerci a profissão por dois anos, num emprego que adorava, ambiente bacana, colegas incríveis e que me pagava bem! Há 10 meses pedi demissão, em meio à crise do país e comecei a fazer biscoitos amanteigados decorados. Se eu fiquei louca? Cheguei a pensar que sim, mas depois refleti que fiz aquilo que meu coração pedia havia muito tempo. Criei coragem, avaliei as possibilidades e hoje, sou incrivelmente feliz com a decisão que tomei! Mas precisei pular num abismo escuro, que não sabia se era fundo ou não, se tinha pedras durante a queda, se eu ia ficar caindo pra sempre ou se iria me esborrachar de cara no chão. Mas eu pulei!

via GIPHY

Pra terminar te deixo o convite: olhe pra sua vida, veja aquilo que você sempre sonhou em fazer e faça um teste. Se pergunte se isso vai funcionar pra sua vida, se vai te sustentar e te deixar feliz. Você já avaliou tudo isso, já verificou os riscos e viu que dá pra mudar? Então pula nesse abismo escuro que lá no fundo dele tem a cama elástica da realização pessoal pra te segurar! No meu fundo do abismo tinha a cama elástica do prazer, da felicidade, da auto realização. E, no fim de tudo, descobri que tenho a maior capacidade pra tocar uma flauta, uma tuba e até quem sabe tocar a orquestra toda!

Como disse Dona Canô, mãe do Caetano Veloso para o Jorge Vercillo e este musicou: “Ser feliz é pra quem tem coragem / Coragem é um dote, coragem é pra quem pode”! Sejamos corajosos para ser felizes!

Um beijo e até a próxima! ;)

Dia Dos Namorados

Quem nunca sonhou em viver momentos de um conto de fadas, com direito a jantar romântico, música apaixonada e declaração de amor. Toda mulher quer ter esse momento lindo não é mesmo?
Hoje no dia dos namorados, os restaurantes estão com filas de espera, os barzinhos irão lotar, as lojas venderam muito e por ai vai.
E você já se preparou para tudo isso?

Fonte: Freepik
O dia dos namorados é uma data comemorativa, não oficial, destinada aos casais de namorados, pretendentes e apaixonados e claro, que também é uma data que se destaca no calendário do comércio varejista pelo apelo emocional e comercial, movimentando praticamente todos os setores do comércio.
E dai que você vai passar o dia dos namorados sozinha e não vai ganhar presente? Esse é só um dia comum, num mês como todos os outros. Não se sinta sozinha,tenha amor próprio, seja feliz, pois ao encontrar alguem você estará tão segura de si, que seu relacionamento super dará certo.
E as que tem namorado, que bom, aproveite todos os dias ao lado dele, faço o muito feliz.
Feliz dia dos NAMORADOS a todos os casais que vivem muito bem todos os dias!!

 

Se você não soubesse a sua idade, quantos anos teria?

Fazia tempo que eu não tinha um domingo tão preguiçoso, daqueles que a gente acorda tarde e deixa o tempo seguir seu ritmo próprio. De repente eu me deparei com uma frase que dizia mais ou menos o seguinte, “Se você não soubesse a sua idade, quantos anos teria?”

Não sei quem é o autor, mas tudo parou num piscar de olhos e o que sobrou foi uma baita dúvida. Confesso que a frase me pegou tão de surpresa que fiquei parada um minuto na frente do computador pensando sobre isso. Quantos anos eu teria se não soubesse a minha idade? Já parou para pensar? Você se consideraria mais jovem ou mais velho do que realmente é? Se você tem 30 acharia que tem 20? Se tem 40 acharia que tem 30?

Nos meus documentos eu tenho exatamente 27 anos.  Mas as vezes parece que tenho muito mais! Ou muito menos! Tem dias que meus 27 pesam mais do que eu gostaria, que vejo quanto tempo já passou. Outras vezes parece que eles me mostram o quão longe ainda estou de onde eu realmente gostaria. E quanto tempo ainda me resta! E me falta!

É engraçado pensar que um número tão banal pode, as vezes, definir toda uma existência. E como ele é tão incompatível com a realidade. Será que sentimos realmente a nossa idade? Você realmente sente os seus 25, 27, 35, 40 anos? Porque as vezes sinto que meus 27 dobram ou diminuem de acordo com o acontecimento. Quando alguns problemas nos obrigam a ser mais velhos do que realmente somos, ou quando aquele medo bobo faz a gente virar criança de novo. Já conheci tanto adulto-criança e tanta criança-adulto por ai, que realmente me faz pensar que idade está apenas na nossa cabeça.

Está muito mais em como você se percebe do que como os outros te enxergam.  Do adolescente de 15 anos que teve que se tornar adulto cedo demais ou do senhor de 75 que ainda parece àquele jovem de 20. É muito mais emocional do que a sua data de nascimento.

Acho que de todas as formas que conseguimos nos limitar, a idade me parece ser uma das mais cruéis. Porque simplesmente te define com um número tão simples e, as vezes, te encaixota em estereótipos tão banais.  E as vezes parece que nos restringimos tanto por conta da nossa idade. Como se o peso do número definisse quem somos de verdade.

Talvez seja a hora de olharmos as pessoas além da idade registrada no documento, além das rugas dos olhos, além do tempo de nascimento. E ver elas como simplesmente são, pessoas, as vezes adultos, as vezes crianças, sempre com uma idade diferente. Porque não é o número que nos define, mas a vida que vivemos.

Minha vontade: Sopa de Feijão com macarrão

É… parece que o frio esta chegando e junto a famosa sopa para esquentar. E quem lembra daquela sopa que só a mãe sabia preparar? Eu até arrisco de fazer, usando os mesmos ingredientes, mas não fica a mesma coisa. Até porque ela faz naquele super fogão a lenha maravilhoso.
É impressionante como nossa mãe tem um toque diferenciado, um toque especial, só pode ser amor e olha que ela nem usa sazon. A sopa que mais peço para minha mãe preparar quando vou visita-la é a famosa sopa de feijão com macarrão e legumes, regada a uma gota de pimenta.

Fonte: Pinterest

Só de pensar deu água na boca, mas nesse momento vou fuçar a minha geladeira e me contentar com o que vou fazer para comer, que ainda não me decidi. E vocês o que vão fazer para comer nesse friozinho?

De repente da certo

Almoçar e descansar é o que todos fazem quando estão muito cansados, principalmente em um feriado prolongado.  Porém, nada melhor do que pegar estrada e relaxar a mente em um lugar distante de todo barulho da cidade, um lugar que é mágico.

Créditos da foto: David Henrique Paulino da Silva

Conhecendo lugares diferentes você inevitavelmente acaba conhecendo as pessoas que vivem nesses lugares, ou até mesmo pessoas de outros lugares. Paraty, cidade histórica, onde as pessoas reagem à um sorriso e à um bom humor. Cada canto da cidade tem uma história a ser contada. O mais impressionante foi uma cena que fiquei parada por horas assistindo.  Ali em frente a uma igreja estava um jovem negro vestido de escravo, com uma corrente presa ao seu tornozelo,  ele narrava como tinham sido construídas as ruas da cidade histórica de Paraty. Ele não só narrava, como gesticulava, dava para perceber o carinho enorme que ele tinha pela cidade e por estar ali transmitindo um pouco de seus conhecimentos.

A tia do carrinho do churros então, nossa ela respirava cultura, impressionante!  Quanta coisa boa ela conseguiu passar em poucos minutos, enquanto prepara meu pedido.

Depois de viver tanta coisa diferente naquela tarde de Sábado , aprender tanta coisa nova, voltei para a casa onde estava hospedada, feliz por aproveitar de maneira gostosa  uma parte do meu feriado.

E você prefere ficar entediado em casa após o seu almoço, ou ir respirar cultura em cidades como Paraty?

 

Uma terça-feira qualquer

Uma terça-feira qualquer, 08h da manhã. O mundo segue seu ritmo frenético de sempre, mas eu estou parada no tempo em uma viagem nostálgica da minha infância, na casa onde cresci e passei os melhores anos da minha vida. Observando uma das cenas que há muito tempo não via, minha avó se mexendo pela cozinha como se pertencesse a esse lugar desde sempre.

Essa mulher que me ninou quando ainda era um bebê, que me pegou no colo mais vezes que posso contar, que fazia de tudo para criar as comidas que eu mais gostava, que do seu jeito simples e forte ao mesmo tempo me ensinou lições tão poderosas que acho que nem ela se dá conta disso. Que apesar dos problemas continua com um sorriso no rosto.

Na verdade, me considero uma pessoa extremamente sortuda por ainda ter meus avós vivos, avô e avó por parte de pai e uma avó por parte de mãe. É aquele tipo de milagre que a gente não se dá conta até o momento que percebemos que podemos perdê-los.  E nesse dia, tive a vontade de simplesmente sentar e observá-los. Só olhar. Só perceber.  Então me dei conta de quanto eles são preciosos e de quão pouco eu falo isso para eles.

Eles passam aquele tipo de lição que não se aprende por falas intermináveis de moralidade, mas por cada exemplo, por cada gesto, cada atitude. Eles não são grandes intelectuais, não fizeram faculdade, nem pós-graduação, nem mestrado no exterior. Não comandaram grandes empresas e nem têm livros publicados por ai. Mas eles possuem aquele tipo de sabedoria que só quem viveu intensamente consegue ter.

De repente, me dei conta que por trás daqueles pés cansados, das dores no corpo inteiro, da dificuldade no caminhar, daqueles olhos que viram mais do que eu possa imaginar, existem pessoas que enfrentaram tudo que a vida jogou para eles e venceram. Pessoas que possuem uma história inteira por trás daquelas linhas de expressão no rosto.  Pessoas que eu me orgulho de fazer parte da família.

Que me mostraram que por mais que a situação seja insuportável um sorriso no rosto é sempre bem-vindo. Que tudo dá certo no final e que se não deu certo é porque não chegou o final. Que por mais que você não queira é sempre bom levar um casaco, porque, sim, vai fazer frio. Que comer sua comida favorita cura qualquer doença. Que cuidado se mostra muito mais por gesto do que por palavras.  Que ficar no colo de quem você ama e ser abraçada por ela é o melhor remédio para qualquer tristeza. Que a vida é dura, as vezes injusta, mas que é preciso continuar caminhando, cada passo por vez.

Então, só de observá-los pude perceber o quanto me moldaram na pessoa que sou hoje. O quanto sou grata por cada lição aprendida, mesmo eles não sabendo que estiveram me ensinando esse tempo todo.  Mas espero que saibam que, por mais que eu não fale sempre, que por trás da sabedoria do olhar de cada um deles eu pude compreender um pouco mais dessa viagem doida que é a vida.