Amsterdam Além Das Luzes Vermelhas

Livros na estante

A primeira coisa que fizemos, logo após fazer o check in, foi nos direcionar – estrategicamente – ao bar do hotel. Já passava das 11 da noite e o clima ameno de final de verão nos convidava a beber. O edifício do hotel onde ficamos hospedados costumava ser um banco na década de 50 e o charmoso bar, que foi construído dentro do antigo cofre que existia ali, era todo inspirado ao estilo Smoking Room. Mas em contraste ao estilo retro da decoração, os coquetéis ali servidos eram a visão do futuro. Com luzes, fumaça e uma apresentação impecável – os drinks não se limitavam em ser apenas deliciosos – beber tais coquetéis era definitivamente uma experiência. E foram várias experiências naquela noite.

 

Na manhã seguinte, sob o céu azul e sol radiante, Amsterdam me hipnotizou: prédios, cheios de história, repousando uns nos outros como livros antigos em uma bela estante. Barcos cortando as águas calmas dos canais e constelações de bicicletas que cobriam as ruas de paralelepípedos. A composição daquele cenário me faz sentir dentro de um filme. Foi amor à primeira vista. Thomas, meu companheiro de viagem, e eu fizemos uma longa e agradável caminhada através do labirinto que são as estreitas ruas e vielas da cidade até chegar, o que vem se chamar, “A Praça dos Museus”. A Praça dos Museus a.k.a. Museumplein é uma bela área verde rodeada pelos principais museus de Amsterdam. Entre eles o Museu de Arte Moderna, Stedelijk Museu e o Van Gogh Museu. Além de ser lar do mundialmente famoso letreiro IAmsterdan.

 

Naquela manhã de sábado, nossa primeira visita foi ao Van Gogh Museu. Com a ajuda de um áudio-guia, eu fui flutuando de obra em obra, viajando através de tempo nas fotografias e cartas, absorvendo os sentimentos e aos poucos compreendendo os demônios que rodeavam a genialidade de Van Gogh. Um fato curioso é que muitas obras estão expostas de ponta cabeça, pois Van Gogh reutilizava suas telas pintando também no verso. Os turistas aglomeravam-se em volta dos quadros mais conhecidos o que me dava espaço – e tempo – para me perder dentro das outras obras. Girassóis, porém, exerceu uma força especial sobre mim. Essa obra-prima traga sua atenção como um poderoso imã, não só pelas cores vibrantes e seu tamanho opulente, mas também pela presença. É como se um leão estivesse na sala. Quando dei por mim, estava admirando um dos últimos quadros que Van Gogh havia pintado e escutando a narrativa dos últimos, e tristes, anos de sua vida. O museu definitivamente oferece uma experiência imersiva. Imperdível!

 

Antes mesmo da hora do almoço, tivemos tempo de visitar o MOCO Museu que, para minha feliz surpresa, exibia obras de Banksy e Salvador Dali. MOCO é uma charmosa casa que fica do lado do Van Gogh Museu. Vale a pena conferir. Logo em seguida entramos na batalha que seria tentar tirar uma foto no letreiro IAmsterdan. Um mar de pessoas. Foi praticamente impossível conseguir um click sem algum photobomb.

Amsterdam já havia me encantado sob a luz do dia, mas foi ao cair da noite que a cidade revelou um outro lado. Ruas fervilhando de turistas, bares, clubes e shows ao ar livre: um completo contraste com a calmaria que eu havia visto durante o dia. E apesar da fama que a noite de Amsterdam possa ter, nós não estávamos ali atrás das ruas de luz vermelha. Ao invés disso, evitamos as multidões e escapos em um passeio noturno de barco pelos canais. As luzes da cidade num sábado à noite eram as condições perfeitas para um programa a dois. As casas-barco, que contornam as margens dos canais, são um espetáculo a parte. Muitas delas exibem a elegância de coberturas e te faz questionar a concepção de luxo, conforto e liberdade. Eu trocaria o apartamento onde vivo hoje por uma delas sem pensar duas vezes.

Se você, meu caro leitor, leu meu último texto sobre Berlim aqui no Conteúdo Aleatório, conhece minha busca por boas cafeterias. E nesse quesito Amsterdam não decepciona. Já no primeiro dia de viagem, tivemos um café da manhã digna de um rei em Dignitá (@dignitaamsterdam). Com mesas ao ar livre e rodeada por um belo jardim, este brunch place é o lugar perfeito para quem quer aproveitar os dias de verão e busca um menu de qualidade fugindo dos tourist-traps. Outra cafeteria que chamou minha atenção é a minúscula Back to Black Coffee Shop (@backtoblackcoffee_wetering) que me conquistou com seus deliciosos bolos, os posters incríveis que enfeitam as paredes, além dos cafés bem elaborados, é claro. No dia seguinte decidimos encarar a fila de espera de quase uma hora para ter uma mesa do ladinho do canal em Greenwoods Tea Room (@greenwoods_tearoom). O English Breakfast fez a esperar valer a pena e a vista da cidade foi com certeza um belo bônus.

“Obrigado por ser viciado”

Na manhã do último dia em Amsterdam, visitamos o Anne Frank Museu. Eu li o diário de Anne Frank quando era adolescente, mas ainda sim tenho vivida em minha memória passagens do livro. O museu se situa no prédio onde ficava o escritório do pai de Anne e onde ela e sua família se esconderam por mais de dois anos durante a segunda guerra mundial. Não vou negar, a carga emocional que aquele lugar exige não é pouca. Foi impossível não deixar as lágrimas rolarem estando ali. Anne não escreveu somente o seu diário, que ficaria mundialmente conhecido, mas também vários contos, poemas e relatos, revelando sonhos e desejos que jamais aconteceriam. Saindo do museu, eu senti meu corpo fraco e minha alma pesada, porém acredito que a visita foi um lembrete essencial de que não devemos tomar nossos direitos como garantidos e que temos que lutar todos os dias por aquilo que acreditamos ser o certo.

 

Minha viagem foi meticulosamente planejada e todos nossos ingressos e entradas para museus e passeios foram comprados online semanas antes. O que nos fez economizar alguns euros no final das contas e definitivamente evitar muitas horas em filas.

 

No final do dia eu estava relutante em chamar o táxi que nos levaria para o aeroporto. Com céu completamente dourado com um belo pôr do sol, decidimos dar uma ultima caminhada pela cidade e acabamos voltando para a praça dos museus antes de fazer o check out no hotel. Foi irresistível não deitar sobre o gramado do parque e aproveitar os últimos raios de sol daquele lindo dia. Amsterdam exala arte e em cada esquina você pode admirar algo belo. A história desse país e o jeito que seu povo encara o futuro me faz contar os dias nos dedos até poder voltar para lá.

 

Você tá reclamando do que?

Voltei com sangue no olho! O assunto é sério hoje, então não vai ter música!

Pra você que tá chegando agora e ainda não sabe: eu moro onde você passa férias! Ou vem passar o fim de semana, ou faz bate e volta no domingo, mas isso não importa! Eu moro naquele lugar que todo o mundo diz que é chique, cheio de glamour, onde fica se sentindo na Europa, blá blá blá… Sim, estou falando de Campos do Jordão! Continue lendo “Você tá reclamando do que?”

Vamos falar sobre educação?

Vamos falar sobre educação? Mas vamos além? Vamos falar sobre a educação do ponto de vista do aluno? O que eles querem realmente? Como eles enxergam a escola?

Há mais no jovem estudante que nossos estereótipos deixam ver. E é isso que o documentário Nunca me sonharam faz o público perceber. (eita, olha a rima ai sem querer kkk) Eu, particularmente, sou uma pessoa apaixonada pela educação, sempre gostei, sempre vi na educação a chance de realmente melhorarmos as pessoas. Não o mundo, mas as pessoas e como dizia Paulo Freire, “a educação não transforma o mundo, a educação muda as pessoas. As pessoas mudam o mundo”. Acreditando piamente nesse potencial humano para o bem que me apaixonei pela educação e mudei minha vida para trabalhar nessa área.

Depois de uma pequena interrupção para contextualizar essa minha paixão, vamos ao ponto para o que me levou a escrever esse texto. Tive duas oportunidades de assistir o documentário Nunca me sonharam e sou muito agradecida por isso, porque ele foi o ponta pé inicial para fazer minha percepção se expandir e já vou explicar o porquê.

Quando falamos de educação, quando falamos mais especificamente de educação pública, a visão que logo vem à mente é lugar sem infraestrutura, professores cansados, jovens desinteressados e mal-educados. Enquanto parte disso confesso que possa ser verdade, a outra parte é, como a maioria das coisas no Brasil, mal estruturadas e mal resolvidas. Vamos lá aos pontos principais da minha reflexão. O documentário mostra o ponto de vista do jovem, como falei no início do texto, e por que isso é tão diferente? Porque quando falamos de educação, a posição automática que colocamos o jovem é de culpado. Culpado de um sistema falho que foi imposto a ele. Se a escola é para eles por que não ouvir a parte mais interessada dessa equação?

E é isso que o documentário faz, ouve jovens que estão diariamente em uma realidade que muitos de nós nem sonham. Ouve jovens que muitas vezes precisam crescer rápido demais para enfrentar uma vida muito injusta, jovens que são tão polidos em seus sonhos, jovens que vivem em um ambiente muitas vezes hostil, em casa ou na rua. Não, não estou defendendo nenhum tipo de ideologia ou posição político-social, até porque não sou nenhuma especialista e isso não é nenhum artigo científico. O que estou querendo dizer, e muito humildemente, é que muitas vezes em discussões educacionais é fácil culpar o adolescente como desinteressado, malcriado e desrespeitoso. Mas e a estrutura educacional? O que realmente fazemos para melhorar a situação? E os professores? Como podemos qualifica-los? Melhorar as condições de trabalho?

É fácil falar em culpa e responsabilizar o aluno apenas como desinteressado e deixar a situação como está, quando a questão principal é muito mais profunda. É como nós, sociedade brasileira, realmente vemos a educação e a importância que damos a ela. E a resposta é fácil, porque realmente nunca sonhamos que o jovem de educação pública “seja alguém”, nunca sonhamos que uma escola da periferia tenha um ensino de qualidade excelente. Como o próprio nome do documentário diz, nunca sonhamos que o jovem da periferia vá além da condição marginalizada imposta a ele. E está na hora de sonharmos mais, bem mais além do que nos é dito diariamente.

Eu sei que a questão é bem mais profunda, muito mais complexa, mas esse é somente um texto de reflexão, e confesso que desabafo também. O documentário é só uma porta de entrada para quem quer realmente pensar educação de um modo diferente e não é destinado somente a professores, coordenadores e supervisores, mas à todas as pessoas que têm aquele sentimento de cidadania gravado no peito. Serve para olharmos de uma outra perspectiva, o que é sempre positivo para um debate de qualidade.

Então como um último recado antes de terminar, por favor assistam o documentário Nunca me sonharam. Eu sei que La Casa de Papel é ótimo e intrigante, que a Netflix soltou a nova temporada daquela série que você ama, mas as vezes é bom a gente ver algo a mais do que ficção e olharmos para a realidade que está a nossa volta e que somos diretamente e indiretamente responsáveis, vale a pena! Prometo ;)

BERLIM: Cativeiro, zona de guerra e bons cafés

Knock! Knock!

Com licença. Posso entrar? Espero não estar atrapalhando. E não se preocupe, pois não vou reparar na bagunça, mas aceitaria um cafezinho com muito agrado. Eu sou o Ivens e estou muito empolgado em poder compartilhar algumas das minhas experiências e tudo mais que passar pela minha cabeça por aqui. A partir de agora, você, meu caro leitor, será meu companheiro em minhas viagens (físicas e filosóficas) aqui no Conteúdo Aleatório.

 

Estava muito frio, céu completamente coberto por nuvens. Só pudemos sentir o vento ridiculamente forte nos empurrando quando saímos do aeroporto Berlin Tegel. No ônibus em direção ao centro, pude contemplar a cidade que ia se formando no caminho e por um instante tudo aquilo me lembrou São Paulo: prédios que iam até o fim do horizonte, grafites, pessoas apressadas e aquele murmúrio de zilhões de carros e sirenes que completam a trilha sonora de qualquer grande cidade. Em minha primeira visita à Berlim, eu trazia em minha pequena bagagem nada além de algumas peças de roupas e muitas expectativas. Para muitos, Berlim é a definição de tudo o que você pode querer de uma metrópole e eu estava lá para tirar a prova disso.

Éramos em 5, sendo eu o único brasileiro. Julia, minha amiga alemã, conhecia a cidade melhor do que ninguém do grupo, então eu não me preocupei quando ela disse que ficaria em cargo de reservar o nosso Airbnb. Porém, meu sensor-aranha começou a apitar quando chegamos no endereço indicado pelo booking. Entre prédios bem antigos, uma viela escura e macabra levava a entrada do edifício. “É aqui que vamos morrer” alguém disse enquanto entrávamos no prédio. Quando abrimos a porta do apartamento, todos em silêncio. Cinco camas de solteiros dentro de uma pequena cozinha e um banheiro onde as paredes não iam até o teto. É assim que eu melhor posso descrever aquele lugar. Ah! Sem mencionar os quadros bizarros pendurados nas paredes. Tudo parecia limpo, mas longe de ser o lugar que vimos nas fotos.

E aqui vai a primeira dica: muito cuidado quando for reservar qualquer Airbnb, melhor referencial são as reviews de prévios residentes. Muitas vezes preços baixos e fotos bem tiradas podem ser os atrativos perfeitos de uma cilada. Nós ficamos na região de Mitte. Mesmo sendo uma região central, Mitte oferece preços acessíveis e uma infinidade de restaurantes de beirute.

Era véspera de ano novo e a cidade fervilhava. Segundo Domenic, meu outro amigo alemão, o melhor lugar em Berlim para se estar na virada seria Alexanderplatz. Com intensa queima de fogos, o lugar parecia mais uma zona de guerra. Não vou mentir, aquilo tudo foi muito divertido e lindo de se ver, mas teve segurança zero. Qualquer um podia soltar fogos de artifícios, já que a venda desses artigos é liberada em mercados por lá. Várias vezes fogos explodiram a centímetros de nós. No final da noite, meu casaco cheirava a pólvora. Se você quiser ver isso com seus próprios olhos, leve óculos de segurança ou pode voltar pra casa sem eles. Luvas também são importantes, vi muita gente queimando as mãos tentando soltar os fogos.

Berlim estava literalmente pegando fogo. Lá pra uma da manhã, e depois de devorar um hambúrguer intercalado com champanhe, chegamos em uma festa que estava rolando dentro do Cinema Kino International. Estava tocando de tudo um pouco: 80s, 90s, de Despacito até Taylor Swift, mas foi só quando o DJ tocou ‘Na sua cara’ que eu percebi o quanto de brasileiros estavam ali presente. A noite acabou um pouquinho antes do sol nascer. Eu, o mais sóbrio (ou o menos bêbado) carregando meus amigos dentro do metrô de volta ao nosso sinistro Airbnb, que carinhosamente apelidamos de ‘o cativeiro’.

Na manhã seguinte, antes mesmo do primeiro sinal de dor de cabeça aparecer, encontramos a Distrikt Coffee (@distriktcoffee). Uma cafeteria hipster, com baristas que mais parecem modelos da Urban Outfitters, Tom Misch de soundtrack e fila de espera de 30 minutos. Um achado! Uma das primeiras coisas que sempre busco quando visito uma cidade pela primeira vez – antes mesmo de museus, pontos turísticos e afins – são boas cafeterias. Eu amo café! E Distrikt Coffee era uma delas. Pratos dignos de food porn e um latte que me salvaria daquela primeira ressaca do ano.

Voltando para o aeroporto eu estava feliz pois não ia dormir no cativeiro novamente, mas ao mesmo tempo tive aquela sensação de ‘quero mais’. Foram dias memoráveis, saindo de festas com o nascer do sol como plano de fundo e muitas vezes saindo da cama ao cair da noite, curando ressaca com bom café e vodka barata. Assim demos boas vindas a 2018. Berlim é uma cidade enorme, cosmopolita, viva e intensa. E apesar do clima não ter ajudado muito durante os cinco dias que ficamos por lá, a cidade se mostrou surpreendentemente amigável e sempre pronta para festejar. Festa para todas as tribos, festas para todos os gostos. Com certeza você vai fazer novos amigos e definitivamente terá histórias hilárias para contar quando voltar de lá.

Encontrei uma máquina pra voltar no tempo! \o/

Sim, você leu esse título direito: encontrei a máquina do tempo! Você, que sempre quis voltar no tempo para desfazer aquele mal-entendido, consertar aquela cagada, falar que ama aquela pessoa que morreu (ou que se faz de morta pra você… Acontece!), reviver aquele momento super especial, esse texto NÃO é para você! Essa máquina do tempo eu ainda não encontrei e tomara que ninguém encontre. Já pensou na confusão?

Continue lendo “Encontrei uma máquina pra voltar no tempo! \o/”

Tentando lidar com a ansiedade

Lidar com a ansiedade diariamente é um desafio e tanto, e muitas vezes, tentar lidar com ela, já gera ainda mais ansiedade. Eita ciclo doido do capiroto!

Meditação, respirar fundo, tomar água, prestar atenção no que tá acontecendo ao redor, contar as lâmpadas, os carros (sério! isso, no meio de uma crise ajuda, e muito!), tomar um banho quente, um chá, receber um abraço. São algumas das coisinhas que tenho feito, algumas menos frequente, outras diariamente. Continua sendo um desafio, mas não dá pra aceitar viver achando que esse é o mal do século e ponto. Precisamos desacelerar, pra nos perceber, perceber o outro, e tentar, o máximo possível, viver esse momentinho, sim, ele mesmo, o de agora, e só ele! Até mesmo planejar o futuro (próximo ou não), mas é tirar um tempo pra pensar nele, e apenas nele. Faz sentido?!

Continue lendo “Tentando lidar com a ansiedade”

Lindy Hop Jass, você conhece?

Oi gente to sumida né? Então preciso compartilhar com vocês algo do meu final de semana.

Nesse Domingo eu e meu digníssimo fomos para um evento cultural gratuito aqui em Campinas no Centro de Convivência, um show de Jazz e a dança Lindy Hop (nunca tinha visto de pertinho).

Lindy Hop é uma dança que surgiu entre 1920 e 1930, no Harlem em New York, como uma mistura de outras danças: o Breakaway, o Charleston e o sapateado. Ele é dançado ao som principalmente de swing das Big Bands.(fonte:wikipedia.org)

Fonte: Youtube

Fiquei muito feliz com a quantidade de jovens que estavam ali, jovens de todas as tribos, mas todos estavam curtindo o som, como se estivessem em uma viagem no tempo, dançando e sem medo de serem felizes e principalmente vestido a caráter. Continue lendo “Lindy Hop Jass, você conhece?”

Obrigada, de nada!

“Parece bobagem, mas é gratidão…”

Quem me lê, já sabe como os textos surgem: observando as pessoas! E estava observando a forma de agir delas, e a minha também e percebi que a gente agradece pouco! “Ah que coisa feia!”, diria a sua mãe, com a testa franzida e dedo em riste! Rs Isso porque fomos criados (pelo menos eu) para agradecer tudo o que ganha. Ganhou presente? Agradece! Recebeu um elogio? Agradece! Sacolas arrumadas no mercado? Agradece! E tem mais: nada de responder “valeu!” Não! Era “obrigada!”, sempre acompanhado de um “valeu não é resposta!” (me peguei dando essa mesma lição na minha sobrinha de 9 anos esses dias…. Tô velha, é oficial!) Continue lendo “Obrigada, de nada!”

Mulheres, há um uivo em forma de livro

Que me desculpem os rapazes, mas o texto de hoje é totalmente dedicado a mulheres.
Quais mulheres? As que são boas demais, as que são gentis demais, as que querem conhecer sua melhor versão, as que não conhecem o seu poder, as que se abrem para conhecer as coisas mais ocultas sobre elas… Enfim, as mulheres que querem tocar, da forma mais profunda, a SUA ALMA.

Continue lendo “Mulheres, há um uivo em forma de livro”

Amigos: para que tê-los?

UPDATE: lembrei dessa música super bacana ontem, 15/04/2018 e resolvi colocar ela também!! ;)

Dia desses eu estava refletindo: porque eu tenho amigos? Para que eu quero ter amigos? Não que eu estivesse brava com meus amigos ou querendo virar uma sozinha no mundo! Não! Estava refletindo isso porque eles me fazem muito bem e me questionei porque gosto de tê-los ao meu lado. Logo que voltei a Campos do Jordão após os anos de faculdade eu me vi num buraco quase sem fundo de solitude (não solidão! Veja a diferença nesse link. Adorei a explicação!) pois havia me afastado dos poucos amigos de escola, as amigas de faculdade estavam em outra cidade e eu me senti como se não conhecesse ninguém numa cidade de mais de 50.000 habitantes! Continue lendo “Amigos: para que tê-los?”