Como era e como é hoje ser um fã de Senhor dos Anéis.

Este texto vale também para qualquer grande adaptação de livros para as telas. E vale também para quem gosta de uma boa nostalgia, seja qual for.

Já com 15 anos jogava RPG, um jogo de interpretações em que um grupo de amigos se reúnem para se divertir através de contos  e evolução de histórias. E dentro dessas incontáveis sessões um amigo me apresentou um livro que dizia ser escrito pelo cara *(desculpe Tolkien, naquela época você era ainda só um cara para mim ) que influenciou a se criar o RPG.

Lembro da primeira vez que segurei o livro de folhas amareladas com o título “O Hobbit”, nome estranho. Abri a contra capa e me deparei com um mapa  e um dragão desenhado, pronto foi paixão na mesma hora.  Este mesmo amigo que após eu ler O Hobbit irá me emprestar os três livros do “Senhor dos Anéis” e que não fosse intimidado pelo volume do livro.  Menos de quatro meses depois eu já tinha lido verdadeiras bíblias em tamanho de leitura e era um fã apaixonado.

Como era maravilhoso, e extremamente raro, conhecer alguém que já tinha lido o livro e sabia da história, o papo rendia horas. Anos mais tarde a notícia que todos sonhavam, ver o seu tema predileto nas grandes telonas.

Já adolescente, no dia primeiro de janeiro e confesso que semi alcoolizado pós festa de ano novo, estava eu mais um grande grupo de amigos na primeira sessão do tão aguardado filme. Foi uma experiência incrível, foi perfeito. Menos de um mês depois todo mundo falava só disso, aos poucos isso também fez perder um pouco da graça.

Do “nada” todo mundo só falava de Senhor dos Anéis, livros em todas as livrarias, geral usando camisetas, cadernos. Bonecos, jogos e tudo o que você puder imaginar, do nada surgiram “verdadeiros críticos” do assunto. Pois é, bem semelhante aos tempo de hoje sobre qualquer assunto não acham?

Não sei se é porque hoje em dia com a internet algo que é bom espalha rápido ou se eu que fiquei chato exigente demais. Antes, encontrar uma pessoa que curtia Senhor dos Anéis era raro e incrível, hoje é banal.

Salvo a historia, continua incrível, J.R.R. Tolkien foi O cara.

Guto Monte Claro

Gerente de bar e drinks, mas o que eu gosto mesmo é de jogar RPG, games e produzir Hidromel/Cerveja artesanal.

Um comentário aleatório