Sobre coragem!

Pra ouvir enquanto lê: Coragem – Biquini Cavadão

Levei um tempo para criá-la. Ela, a coragem, não é algo que se cria da noite para o dia. Deveria, mas não é! Pela primeira vez escrevo para muitas pessoas lerem e isso dá um certo medo… Sou a Fernanda, tenho 25 anos (quase 26!) e a partir de agora escrevo para o Conteúdo!

E escolhi escrever sobre a coragem porque tenho vivido situações que me jogam de cara para ela. A vida é exigente e não facilita para quem não tem coragem, para quem é mole e desiste fácil das coisas. Sempre fui uma pessoa muito tranquila, até meio enrolada para me resolver. Um dia, no início da faculdade, meu cunhado me falou: “você fica levando sua vida na flauta, daqui a pouco a vida vai te obrigar a tocar uma tuba e você não vai dar conta!” Na hora aquilo me atingiu como uma flecha, um murro na cara; fiquei morrendo de raiva. Uns anos depois, entendi o que ele queria dizer: eu precisava ser mais forte, criar uma casca mais grossa pra resistir às pancadas que a vida dá. E olha, ela luta MMA, jiu-jitsu, capoeira, boxe! Dá cada soco na cara, cara golpe duro que só com uma casca digna de Tartaruga Ninja a gente aguenta!

E é aí que a coragem entra! A gente precisa dar a cara a tapa, dar o rosto pra vida bater, senão a gente fica parado no mesmo lugar, vivendo a mesma vida, vivendo uma vidinha medíocre! E a gente não nasceu pra ser medíocre. Segundo o dicionário, medíocre quer dizer mediano. Digo mais, digo que quer dizer medido. A gente fica medindo a vida: “até aqui eu posso ir; até aqui eu quero ir; depois disso eu não tenho capacidade”. E isso é uma maldade com a gente mesmo! A gente nunca descobre do que é capaz, nunca sai do lugar e eu não sei você, mas eu fico desesperada com a falta de mudança na minha vida!

Sou formada em relações públicas e exerci a profissão por dois anos, num emprego que adorava, ambiente bacana, colegas incríveis e que me pagava bem! Há 10 meses pedi demissão, em meio à crise do país e comecei a fazer biscoitos amanteigados decorados. Se eu fiquei louca? Cheguei a pensar que sim, mas depois refleti que fiz aquilo que meu coração pedia havia muito tempo. Criei coragem, avaliei as possibilidades e hoje, sou incrivelmente feliz com a decisão que tomei! Mas precisei pular num abismo escuro, que não sabia se era fundo ou não, se tinha pedras durante a queda, se eu ia ficar caindo pra sempre ou se iria me esborrachar de cara no chão. Mas eu pulei!

via GIPHY

Pra terminar te deixo o convite: olhe pra sua vida, veja aquilo que você sempre sonhou em fazer e faça um teste. Se pergunte se isso vai funcionar pra sua vida, se vai te sustentar e te deixar feliz. Você já avaliou tudo isso, já verificou os riscos e viu que dá pra mudar? Então pula nesse abismo escuro que lá no fundo dele tem a cama elástica da realização pessoal pra te segurar! No meu fundo do abismo tinha a cama elástica do prazer, da felicidade, da auto realização. E, no fim de tudo, descobri que tenho a maior capacidade pra tocar uma flauta, uma tuba e até quem sabe tocar a orquestra toda!

Como disse Dona Canô, mãe do Caetano Veloso para o Jorge Vercillo e este musicou: “Ser feliz é pra quem tem coragem / Coragem é um dote, coragem é pra quem pode”! Sejamos corajosos para ser felizes!

Um beijo e até a próxima! ;)

Fernanda Maria

Relações Públicas de formação, confeiteira por amor e feliz por necessidade! Adoro escrever, observar as pessoas, ouvir boa música e olhar para o céu em busca de nuvens divertidas e respostas para vida!

Um comentário aleatório