Solta esse cabelo!

Terça-feira passada eu escrevi meu primeiro texto para o conteúdo aleatório e confesso que fiquei bastante insegura, sem saber como as pessoas iriam reagir, se conseguiria fazer um bom trabalho ou não, e tantas outras besteiras que só aparecem quando tentamos algo novo. Mas a sensação de escrever algo meu e deixa-lo publico para leitores perdidos por ai foi tão gratificante que eu quis de novo, e aqui estou!

Eu estava em busca de outra inspiração para escrever desde a semana passada, mas ela só foi aparecer agora, nos 45 do segundo tempo, então perdoem qualquer erro, porque não vai dar muito tempo de fazer uma edição legal. Só que esse texto, talvez, nãos seja tão reflexivo quanto outro, mas vamos lá!

Bem, para quem está antenado nas notícias e se liga em beleza provavelmente leu a matéria de ontem, segunda-feira (05/04), sobre o cabelo natural da Michelle Obama. Pois é, a ex-primeira dama dos EUA apareceu com os seus cachinhos a solta  e a internet, claro, ferveu de comentários.  A maioria positivo (ufa!)

E eu achei simplesmente INCRÍVEL! Incrível que ela teve a coragem de assumir o cachos e a quantidade de apoio que ela recebeu na internet. Porque, vamos combinar, hoje qualquer coisa é motivo para comentários pejorativos nas redes. E daqueles que parece serem escritos por pessoas do século retrasado de tão estúpidos que são.

Mas, fora meu pequeno desabafo e momento tiete da Michelle poderosa, não é um pouco surreal pensar que assumir seus cabelos seja motivo de tanta repercussão? Tudo bem, ela é uma figura pública de grande referência e, claro, que tudo o que ela fizer vai aparecer na rede. Mas, em uma época que falamos tanto de empoderamento feminino, de sermos quem quisermos ser, algo tão banal quanto nosso cabelo ainda parece ter uma importância gritante na nossa sociedade.

Eu nasci com cabelo cacheado e durante muito tempo, principalmente na minha adolescência, minha definição de cabelo bonito era cabelo liso. Afinal, as mulheres que eu achava bonita tinham cabelo liso. Então eu cresci fazendo escovas e alisamentos, para sentir um pouco dessa beleza que eu via jogada por aí. E confesso que até hoje não consegui me libertar.

E o que preocupa é como algo tão natural em uma mulher, pode afetar tanto a nossa autoestima. Porque para muitas, e eu estou incluída no pacote, a gente só vai se achar bonita se seguirmos esse padrão de beleza meio doido imposto por ai. E como isso é cruel! Como é cruel sanar nossa autoestima por causa dos nossos cabelos. De ficar horas no salão para se achar bonita, porque no fundo ainda temos aquela imagem da moça da capa de revista.

E você que está lendo achando que tudo não passa de madeixas, saiba que os cabelos representam muito mais que vaidade, representam nossa essência e nossa origem. Fazem parte de quem somos e de como nos mostramos para o mundo. E o assunto é vasto viu? Podemos ficar horas debatendo como a autoestima da mulher pode ser cortada a fundo por padrões intangíveis de uma sociedade patriarcal e nem um pouco justa. Mas o dia foi longo e já tá acabando, então só vai um pequeno questionamento.

Por que não nos mostramos ao natural? Por que nos prendemos tanto em imagens programadas que ditam nossa visão de vida? Por que não deixar ser? Por que não soltar? Seja liso, cacheado, ondulado, curto, longo, castanho, preto, ruivo, loiro, azul, com franja, com friz, com tudo…seja você! Vamos soltar os cabelos e ser feliz!

Fonte e Imagem do texto: http://oglobo.globo.com/mundo/michelle-obama-aparece-em-foto-com-os-cabelos-ao-natural-21153409

Rafaela Moyses

Rafaela Moyses, Bacharel em Relações Públicas, nerd de plantão e amante de livros. Apaixonada pela arte de ler e escrever, busca nas palavras o refúgio da vida.

Um comentário aleatório