The Mist – Série ( Netflix )

Nova serie na Netflix, The Mist, baseada em um conto do Stephen King vale muito a pena assistir para quem gosta de uma boa ficção cientifica misturada com terror. Confira o Trailer:

Dia Dos Namorados

Quem nunca sonhou em viver momentos de um conto de fadas, com direito a jantar romântico, música apaixonada e declaração de amor. Toda mulher quer ter esse momento lindo não é mesmo?
Hoje no dia dos namorados, os restaurantes estão com filas de espera, os barzinhos irão lotar, as lojas venderam muito e por ai vai.
E você já se preparou para tudo isso?

Fonte: Freepik
O dia dos namorados é uma data comemorativa, não oficial, destinada aos casais de namorados, pretendentes e apaixonados e claro, que também é uma data que se destaca no calendário do comércio varejista pelo apelo emocional e comercial, movimentando praticamente todos os setores do comércio.
E dai que você vai passar o dia dos namorados sozinha e não vai ganhar presente? Esse é só um dia comum, num mês como todos os outros. Não se sinta sozinha,tenha amor próprio, seja feliz, pois ao encontrar alguem você estará tão segura de si, que seu relacionamento super dará certo.
E as que tem namorado, que bom, aproveite todos os dias ao lado dele, faço o muito feliz.
Feliz dia dos NAMORADOS a todos os casais que vivem muito bem todos os dias!!

 

Minha vontade: Sopa de Feijão com macarrão

É… parece que o frio esta chegando e junto a famosa sopa para esquentar. E quem lembra daquela sopa que só a mãe sabia preparar? Eu até arrisco de fazer, usando os mesmos ingredientes, mas não fica a mesma coisa. Até porque ela faz naquele super fogão a lenha maravilhoso.
É impressionante como nossa mãe tem um toque diferenciado, um toque especial, só pode ser amor e olha que ela nem usa sazon. A sopa que mais peço para minha mãe preparar quando vou visita-la é a famosa sopa de feijão com macarrão e legumes, regada a uma gota de pimenta.

Fonte: Pinterest

Só de pensar deu água na boca, mas nesse momento vou fuçar a minha geladeira e me contentar com o que vou fazer para comer, que ainda não me decidi. E vocês o que vão fazer para comer nesse friozinho?

De repente da certo

Almoçar e descansar é o que todos fazem quando estão muito cansados, principalmente em um feriado prolongado.  Porém, nada melhor do que pegar estrada e relaxar a mente em um lugar distante de todo barulho da cidade, um lugar que é mágico.

Créditos da foto: David Henrique Paulino da Silva

Conhecendo lugares diferentes você inevitavelmente acaba conhecendo as pessoas que vivem nesses lugares, ou até mesmo pessoas de outros lugares. Paraty, cidade histórica, onde as pessoas reagem à um sorriso e à um bom humor. Cada canto da cidade tem uma história a ser contada. O mais impressionante foi uma cena que fiquei parada por horas assistindo.  Ali em frente a uma igreja estava um jovem negro vestido de escravo, com uma corrente presa ao seu tornozelo,  ele narrava como tinham sido construídas as ruas da cidade histórica de Paraty. Ele não só narrava, como gesticulava, dava para perceber o carinho enorme que ele tinha pela cidade e por estar ali transmitindo um pouco de seus conhecimentos.

A tia do carrinho do churros então, nossa ela respirava cultura, impressionante!  Quanta coisa boa ela conseguiu passar em poucos minutos, enquanto prepara meu pedido.

Depois de viver tanta coisa diferente naquela tarde de Sábado , aprender tanta coisa nova, voltei para a casa onde estava hospedada, feliz por aproveitar de maneira gostosa  uma parte do meu feriado.

E você prefere ficar entediado em casa após o seu almoço, ou ir respirar cultura em cidades como Paraty?

 

Comodismo da vida

Uma coisa que acho muito louco, é a maneira que a maioria das pessoas encara a própria vida. E o pior não aceitam discutir sobre tal “assunto”, afinal ela está completamente certa sobre isso.

Por exemplo, permanecer em um emprego, achando que isso é segurança, ou até mesmo se escondendo da realidade, deixando passar as oportunidades de grandes mudanças em sua vida. Será o medo que aterroriza?

E assim surge as perguntas: Será que vai dar certo? Será que devo fazer isso?

Quando resolvi sair de minha cidade fiz essas perguntas para minha mãe, a qual me respondeu: Cris você tem que pensar positivo e sempre procurar fazer a seguinte pergunta: O que é preciso fazer para que dê certo? E nesse momento achei ela meio fria comigo, mas hoje vejo que ela estava com a razão, pois depois disso vivo com essa pergunta na minha cabeça e procuro respostas para outras situações.

O pensar fora da caixinha, não quer dizer que eu não tenha medo das coisas que passo, ou que irei enfrentar, mas tenho muito mais força para passar por tudo isso.

Uma coisa que admiro em minha mãe é ela nunca ter determinado os destinos de seus filhos, mas ela os preparou para escolher seus caminhos. E entre erros e acertos, cada um seguiu sua vida. “ Criamos os filhos para o mundo” frase que minha mãe fala até hoje, por mais que ela queira os filhos embaixo das asas dela.

O desconforto do crescimento as vezes dói, mas afirmo que é muito melhor que o comodismo da imaturidade. Imagina se eu não tivesse tomado a decisão de sair de casa naquele momento, o tempo ia passar e junto com ele a minha impotência em aceitar e admitir que estive enganada por muito tempo, eu não ia conhecer o que teria de diferente nos lugares, eu não saberia o que é se perder e não saber voltar para casa, eu simplesmente ia viver num mundo de falsas ilusões, esperando as coisas acontecerem.

Em uma encruzilhada, não se pode pensar muito, a decisão tem que ser tomada imediatamente e o caminho tem que ser seguido. Só nós sabemos o que é melhor para nós e só o tempo dirá se tomamos a decisão correta. Enfrente desafios e saia da zona de conforto!

Se não puder voar, corra.
Se não puder correr, ande.
Se não puder andar, rasteje.
Mas continue em frente de qualquer jeito.

Martin Luther King

Solta esse cabelo!

Terça-feira passada eu escrevi meu primeiro texto para o conteúdo aleatório e confesso que fiquei bastante insegura, sem saber como as pessoas iriam reagir, se conseguiria fazer um bom trabalho ou não, e tantas outras besteiras que só aparecem quando tentamos algo novo. Mas a sensação de escrever algo meu e deixa-lo publico para leitores perdidos por ai foi tão gratificante que eu quis de novo, e aqui estou!

Eu estava em busca de outra inspiração para escrever desde a semana passada, mas ela só foi aparecer agora, nos 45 do segundo tempo, então perdoem qualquer erro, porque não vai dar muito tempo de fazer uma edição legal. Só que esse texto, talvez, nãos seja tão reflexivo quanto outro, mas vamos lá!

Bem, para quem está antenado nas notícias e se liga em beleza provavelmente leu a matéria de ontem, segunda-feira (05/04), sobre o cabelo natural da Michelle Obama. Pois é, a ex-primeira dama dos EUA apareceu com os seus cachinhos a solta  e a internet, claro, ferveu de comentários.  A maioria positivo (ufa!)

E eu achei simplesmente INCRÍVEL! Incrível que ela teve a coragem de assumir o cachos e a quantidade de apoio que ela recebeu na internet. Porque, vamos combinar, hoje qualquer coisa é motivo para comentários pejorativos nas redes. E daqueles que parece serem escritos por pessoas do século retrasado de tão estúpidos que são.

Mas, fora meu pequeno desabafo e momento tiete da Michelle poderosa, não é um pouco surreal pensar que assumir seus cabelos seja motivo de tanta repercussão? Tudo bem, ela é uma figura pública de grande referência e, claro, que tudo o que ela fizer vai aparecer na rede. Mas, em uma época que falamos tanto de empoderamento feminino, de sermos quem quisermos ser, algo tão banal quanto nosso cabelo ainda parece ter uma importância gritante na nossa sociedade.

Eu nasci com cabelo cacheado e durante muito tempo, principalmente na minha adolescência, minha definição de cabelo bonito era cabelo liso. Afinal, as mulheres que eu achava bonita tinham cabelo liso. Então eu cresci fazendo escovas e alisamentos, para sentir um pouco dessa beleza que eu via jogada por aí. E confesso que até hoje não consegui me libertar.

E o que preocupa é como algo tão natural em uma mulher, pode afetar tanto a nossa autoestima. Porque para muitas, e eu estou incluída no pacote, a gente só vai se achar bonita se seguirmos esse padrão de beleza meio doido imposto por ai. E como isso é cruel! Como é cruel sanar nossa autoestima por causa dos nossos cabelos. De ficar horas no salão para se achar bonita, porque no fundo ainda temos aquela imagem da moça da capa de revista.

E você que está lendo achando que tudo não passa de madeixas, saiba que os cabelos representam muito mais que vaidade, representam nossa essência e nossa origem. Fazem parte de quem somos e de como nos mostramos para o mundo. E o assunto é vasto viu? Podemos ficar horas debatendo como a autoestima da mulher pode ser cortada a fundo por padrões intangíveis de uma sociedade patriarcal e nem um pouco justa. Mas o dia foi longo e já tá acabando, então só vai um pequeno questionamento.

Por que não nos mostramos ao natural? Por que nos prendemos tanto em imagens programadas que ditam nossa visão de vida? Por que não deixar ser? Por que não soltar? Seja liso, cacheado, ondulado, curto, longo, castanho, preto, ruivo, loiro, azul, com franja, com friz, com tudo…seja você! Vamos soltar os cabelos e ser feliz!

Fonte e Imagem do texto: http://oglobo.globo.com/mundo/michelle-obama-aparece-em-foto-com-os-cabelos-ao-natural-21153409

Falsos Sentimentos

Vivemos em um mundo muito maluco, um mundo de pessoas descartáveis, pouco importa o que o outro sente, a própria necessidade vem primeiro. Aquele papo de “agora sim arrumei a pessoa ideal pra mim” ou ‘sou o melhor pai do mundo” ou até mesmo “faço isso só por que estou com você”. Fuja de relações desse tipo, pois no fundo você sabe que não dará certo! E o mais engraçado é que hoje os diversos relacionamentos surgem através dos aplicativos, muitos dão até sorte, mas a maioria só querem aquela famosa “metidinha” . Difícil entender as pessoas, por que muitos reclamam de seus relacionamentos não duráveis, mas, também não saem desses aplicativos infernais, onde mais parece um catálogo de carne, do que qualquer outra coisa. E por ai vai. Os aplicativos facilitam a vida deles “Coração” se a tal aparência agrada e ” X” se não, e assim vai para a próxima.

Será que as pessoa tem medo de sentir algo por alguém? Será que as pessoas tem medo de demonstrar seus sentimentos? Ou é egoísta a ponto de não querer dividir seu tempo com alguém? Ou será que acha mais fácil chegar em casa cansado do trabalho e ligar no netflix, e conversar pelo “tinder” com a nova peguete? Assim ele pega e não se apega não é mesmo? Mas muitos são cara deu pau, conhecem alguém e fica por tempo determinado, apenas 15 dias e nesse tempo, seu Instagram é recheado de fotos de lugares lindos com essa pessoa, como se o amor estivesse ali transbordando, mas, mal sabe essa pessoa que seu tempo esta acabando, pois ali na fila já tem uma  esperando pelos seus lindos 15 dias.  E mais uma tecla delete será apertada e novamente mais uma irá cair na lábia do senhor “Tinder”.

No mundo das pessoas descartáveis, as pessoas envelhecem, mas se esquecem disso, e o tempo passa tão rápido, mas tão rápido que não percebem, é triste pensar que essa pessoa esta condenada a ficar sozinha, pois já não tem mais nada a oferecer a outra pessoa, nem mesmo a sua beleza.

Ame de verdade e seja verdadeiro, pois é um sentimento lindo e puro! Iludir um outro ser humano com palavras e falsos sentimentos é a pior covardia que possa existir.

Novo Album The XX, I See You

I See You é o terceiro álbum de estúdio da banda de indie pop britânica The XX. Foi lançado no dia 13 de janeiro de 2017pela gravadora Young Turks. O álbum foi lançado quatro anos depois do antecessor, Coexist.

The XX disse que o álbum teria um som mais “aberto” e “expansivo” que os dois álbuns anteriores, e que o álbum de Jamie XX, In Colour, iria ser uma influência na produção.

The XX ficou famosa no Brasil após algumas músicas serão temas de novelas. Uma ótimo som para Lounge e relaxar.

O novo album esta  no canal do Youtube da banda com algumas musicas.

Deixem suas opiniões sobre a banda e o novo álbum nos comentários.

Medo do trovão

Numa tarde cinzenta, estou sozinha, encolhida e com medo, sim o trovão que hoje resolveu me perturbar. Justo hoje que estou meio febril? Justo hoje que preciso colocar os trabalhos da agência em dia? Acho que esse trovão me persegue desde a infância ou algo do tipo. Às vezes fico me perguntando de onde surgiu esse sentimento (medo) estranho e avassalador. O som envia um calafrio até a medula dos meus ossos, é um medo primitivo. E como lidar com isso tudo?

Todos me falam que é só um monte de barulho que parece que está tentando me assustar (de fato esta). Caramba as janelas estão tremendo, e meu corpo tremendo junto, coração acelerado, respiro pelo nariz e expiro pela boca, já subi na cama, acabou a luz e agora sem internet (pirei).

Quando era criança, pegava meu bixinho de pelúcia e ia para o colo de minha mãe (sempre me faziam sentir melhor), mas cresci e agora? Não tenho mais nenhum bixinho de pelúcia e minha mãe mora em outra cidade. Estou tentando pensar em algo que me deixe feliz e calma, algum passatempo, alguma brincadeira, mas nada nesse momento vem a minha cabeça. Estou fingindo que alguém esta comigo, para me sentir segura e protegida, talvez funcione, mas acho que Thor (deus do trovão) resolveu me testar hoje. Sei que não devo ter vergonha de ter medo e nem pensar que as pessoas são corajosas, mesmo elas disserem que são.

Superar o medo do trovão é uma árdua tarefa que pode levar anos para se realizar. Estou aqui controlando minha ansiedade, buscando minha paz interior, mas hoje ao escrever sobre o que me acomete, sinto me aliviada e menos frágil, pois posso dividir esses momentos de angustias com alguém.

Cadeia tupiniquim e os conterrâneos de Nassau

Como todos devem ter acompanhado nas últimas semanas, foi deflagrada uma crise no sistema prisional brasileiro, com terríveis desdobramentos. Em meio a guerras entre facções, omissões do estado, discursos de ódio ou indignação, não cabe aqui esmiuçar todos os pontos desse complexo tear sócio-político. Mas há um fato que é consenso em qualquer análise que se faça: a superlotação dos presídios brasileiros. Já temos a 4ª maior população carcerária do mundo, atrás apenas de Rússia, China e Estados Unidos. Há estimativas de que se esse ritmo de crescimento do encarceramento no país se mantiver, em 2075 um a cada dez brasileiros estará atrás da grades. E o tráfico de drogas é a principal causa das condenações, responsável por mais de um quarto dos casos.

Ou seja, uma legião de pessoas privadas da liberdade, em condições péssimas, e que consomem recursos do estado, por fumar um baseado, ou qualquer coisa do tipo. E na grande maioria dos casos é isso mesmo, já que os verdadeiros grandes traficantes de armas e drogas estão bem soltos e negociando livremente, inclusive com os altos escalões de empresas e governos, em quase todos os países desse mundão todo.

Continue lendo “Cadeia tupiniquim e os conterrâneos de Nassau”