O tempo da dor é o tempo da transformação

Nos últimos anos as empresas têm se preocupado cada vez mais com a pessoa/ser humano que ela está contratando do que com o currículo dela, já reparou? Não, não vou dar dicas de “como se dar bem em uma entrevista de emprego”.
Me chamo Carol Rosa e esse é meu primeiro texto para o Conteúdo Aleatório. Chega mais =)

Creio que não teve melhor dia para postar esse texto, pois hoje damos início ao outono. Não é somente uma mudança de estação, mas uma mudança de ciclo. E é exatamente sobre isso que irei falar nesse texto.

Quando comecei a escrever o texto, falava sobre transformação, e acredite, mencionava até sobre a Era Industrial e a Era da Informação, mas percebi que meus pensamentos me levavam a sensação que antecede essa metamorfose: a dor.
Exato. O foco desse texto são as dores. É, eu sei que não é nada confortável falar sobre elas, mas é preciso, pois a transformação pela qual você passa é uma consequência dessa sensação. Então você pode perguntar “Preciso passar por elas? Não posso, simplesmente, pular essa fase”? ou então “Eu tenho consciência! Não preciso passar por dores para mudar”! (by the away: quem fala isso sofre ainda mais). Após ter tido sucesso em algum projeto/sonho, você passou pela dor? Se você teve sucesso, com certeza, precisou passar pelas dores primeiro para conquistá-lo, certo?

O processo da transformação não é nada confortável: você chora, se lamenta, se arrepende, se arrepende de novo por não poder voltar no tempo e querer fazer diferente, então você se lamenta de novo e chora de novo. É um looping (calma, o looping é temporário), mas como não temos fórmulas para nos livrar das dores rapidamente, não tem como dizer quando acaba (ok, não vou generalizar, por isso, se você consegue mudar rapidamente seu estado emocional, isso é incrível, e significa que você sabe lidar com a inteligência emocional). O importante é: não as negue [dores], mas as respeite. O tempo da dor é o tempo da transformação.

Imagem: Patricia Garcia

Não importa pelo que você passou. Também, não limite suas dores como “pequenas ou grandes”. Não importa! Dói em você? Então é importante sim. E não se pressione, pois a mudança é um processo natural. Porém, é importante ter ciência de que tudo o que você permite na sua vida é responsabilidade sua, e não dos outros. Veja o que vale a pena.

Lembra do primeiro parágrafo sobre a questão do “ser humano”? Então, não seja alguém que carregue mágoas, tristezas, revoltas e descrença por conta das dores. Olhe pra elas como aprendizado. A essência, se boa, deve ser mantida, por isso, não deixe de ser quem é por um dia ter se machucado, mas aprenda a lidar com novos sentimentos.

Seja grato, seja bondoso, seja empático, seja a alma sensível em meio ao caos. Acredite no AMOR, pois eu nunca duvidei que esse é o único caminho para a uma vida plena.

Você encontra os pequenos textos em negrito e muitos outros no meu singelo – e ao mesmo tempo audacioso – Instagram @prosas_com_carol 

#Gratidão e até a próxima.
Grande beijo!

Carol Rosa

Propósito de VIDA: transmitir o AMOR por meio das palavras. Mantra: "A menor intenção de ser melhor já é amor" ♥ Sonho: de tantos, começarei por um livro. Instagram: @prosas_com_carol - textos engraçados, românticos, reflexivos, de duplo sentido e alguns bobos.

Um comentário aleatório