Amigos: para que tê-los?

UPDATE: lembrei dessa música super bacana ontem, 15/04/2018 e resolvi colocar ela também!! ;)

Dia desses eu estava refletindo: porque eu tenho amigos? Para que eu quero ter amigos? Não que eu estivesse brava com meus amigos ou querendo virar uma sozinha no mundo! Não! Estava refletindo isso porque eles me fazem muito bem e me questionei porque gosto de tê-los ao meu lado. Logo que voltei a Campos do Jordão após os anos de faculdade eu me vi num buraco quase sem fundo de solitude (não solidão! Veja a diferença nesse link. Adorei a explicação!) pois havia me afastado dos poucos amigos de escola, as amigas de faculdade estavam em outra cidade e eu me senti como se não conhecesse ninguém numa cidade de mais de 50.000 habitantes!

Quase que num passe de mágica, conheci uma amiga da minha mãe que tinha uma amiga quase da minha idade. Essa amiga tinha outros amigos e do nada, eu ganhei meus melhores amigos da vida. Somos quase um quarteto fantástico, tirando os espinhos que a gente solta um no outro de vez em quando! Rs Se você me perguntar se eu lembro o dia em que ficamos amigos, eu não sei dizer. Nem o ano, mas parece que somos amigos a vida toda! Maravilha: minha vida social estava salva! Foi aí que reencontrei alguns amigos, pessoas do ensino médio que viveram comigo fases incríveis da minha vida, fiz amigos mais velhos, mais novos e redescobri como pode ser bom sair de vez em quando e jogar conversa fora.

Mas nesse momento também vi algumas pessoas indo embora, se transformando de bons amigos em conhecidos e dentro de mim foi se transformando essa realidade de saber escolher direito as pessoas com quem me relaciono. Entendi, só aí, perdendo algumas pessoas que considerava amigas de verdade, o para que de ter amigos. Para mim, esse para que era a dedicação que cada um tinha comigo e que eu tinha com cada pessoa. Descobri que a reciprocidade era tão importante que passei a entender como funcionava essa coisa de ter e ser amigo.

Estava um dia tomando um café e o lugar estava perto de fechar, então só havia um grupo de homens e eu. Esses homens eram todos com mais de 40 anos, todos advogados e membros do cartório da cidade (cidade pequena a gente conhece as pessoas, fazer o que?!). Eles estavam conversando sobre variados assuntos e se divertindo demais! Sim, eu cometi essa indelicadeza: prestei atenção na conversa alheia! Mas estava mais observando como eles agiam entre si, como existia uma sinergia entre eles, uma conexão, uma intimidade a ponto de não precisarem nem falar certas coisas para caírem na risada. Percebi que essa é uma amizade verdadeira: não precisar sempre de palavras!

Li em algum lugar que conversar com os amigos as vezes é a melhor terapia que a gente precisa! Concordo! Não desmerecendo os profissionais da psicologia que exercem seu trabalho cheio de valor e importância, mas com os amigos a gente tem uma troca diferente: existe sentimento, que faz você sentir a dor dele e ele a sua; permite dar um ombro se o choro for necessário. A conversa entre amigos pode não ter a técnica terapêutica de dentro dos consultórios, mas tem efeito terapêutico como um remédio!

Pensei nesse texto por muito tempo, porque nele não está contido só a minha opinião sobre ter e ser amigo e porque é tão importante manter e cultivar boas amizades, mas existe minha observação sobre essa sinergia que acontece entre aqueles que se permitem viver esse sentimento tão rico que é a amizade! Observei meus amigos, assim como observei aqueles amigos no café e percebi que não importa a idade, o tempo de amizade, a profissão ou qualquer outra coisa. Importa é quanto você está disposto a se doar por uma pessoa que nem é da sua família, mas que segura barras pesadas com você, te dá uns chutes na bunda pra acordar pra vida, te dá colo e consolo pra quando a vida dói, ri das maiores besteiras e cria história com você! Eu tenho amigos de mais de 10 anos, amigos de 5 anos, amigos há 2 anos, amiga de 6 meses, mas todos eles têm a mesma intensidade no cuidar, no se importar, e uma profundidade que só os verdadeiros amigos podem ter!

Você com certeza também tem amigos assim. Mesmo que sejam poucos, mesmo que seja só um, mas eu te garanto: se há entrega e doação de ambos, a amizade é profunda, a troca é rica e valiosa e te fazer descobrir pra que ter amigos: pra ter com quem dividir! Dividir as alegrias, as dificuldades, as histórias e a vida!

Que você faça mais amigos, refaça amizades perdidas, encontre pessoas MUITO diferentes de você mas que combinam em alguma coisa. Ou não! Importa que você queira cultivar essa amizade, como uma planta, para que ela cresça, ganhe raízes profundas e dê muitas flores de histórias pra contar!

Grande abraço! Um especial aos meus amigos que sempre leem e sempre têm palavras bacanas quando preciso! Até semana que vem! ;)

Fernanda Maria

Relações Públicas de formação, confeiteira por amor e feliz por necessidade! Adoro escrever, observar as pessoas, ouvir boa música e olhar para o céu em busca de nuvens divertidas e respostas para vida!

3 respostas para “Amigos: para que tê-los?”

Um comentário aleatório